QUAL TIPO DE DESENVOLVEDOR VOCÊ DEVE SER: DE FRONT-END, BACK-END OU FULL STACK?

QUAL TIPO DE DESENVOLVEDOR VOCÊ DEVE SER: DE FRONT-END, BACK-END OU FULL STACK?


O mundo digital que está tão em alta mundialmente e com o mercado mais aquecido do que nunca tem despertado o interesse de inúmeras pessoas. Muitos têm se dedicado à formação nesta área  e objetivam ser profissionais excepcionais. Entretanto, a carreira de programador oferece várias possibilidades e pode, muitas vezes, ocasionar algumas dúvidas sobre quais caminhos escolher. A melhor maneira de minar tais dúvidas é ter acesso a informações sobre o mercado e, assim, ter um panorama geral das possibilidades.

Pensando nisso, esse artigo vai abordar uma dúvida muito comum e que pode ser a sua: é melhor ser um desenvolvedor de front-end, back-end ou full stack?

O front-end, assim como o nome sugere, é a “frente” de um site, aplicativo ou software. É um dos elementos essenciais para a programação e corresponde a parte visual do objeto desenvolvido, na qual os usuários terão seu primeiro contato e por ali poderão interagir de forma direta.

Como o front-end está voltado para os elementos visuais utilizados, é de extrema importância que o desenvolvedor — ou como é mais conhecido, developer— tenha conhecimento sobre como criar uma experiência agradável e funcional para os usuários. Como por exemplo, pensar em como serão disponibilizadas as principais informações mais buscadas pelo público.

O mercado para desenvolvedores de front-end está em alta. Há uma tendência mundial no mundo tecnológico que exige cada vez mais uma organização visual, elementos agradáveis aos olhos e pensados detalhadamente. Mas não se engane, um trabalho nessa área não está ligado ao “desenho” dessas interfaces, mas sim ao código utilizado para implementar estes aspectos. Programadores dessa área devem priorizar o domínio das seguintes linguagens: HTML, CSS e JavaScript.

Já ao contrário do front-end, o back-end é a parte “de trás” de uma aplicação. O pedaço estrutural que possibilita o funcionamento geral. É como uma base para a interface visual que realiza as solicitações da plataforma no banco de dados para atender o que é pedido pelo usuário. Está muito relacionado a segurança de dados, performance, servidores, API’s e regras de negócio.

Nesse mercado, as empresas muitas vezes buscam profissionais extremamente avançados em uma linguagem específica que já utilizam como padrão. Além de que, escrever uma boa documentação — o manual de uso do projeto desenvolvido. Aqui as principais linguagens a serem estudadas são JavaScript (NodeJS), PHP, Python, Ruby, Java e C#.

Front-end e back-end são aspectos complementares um ao outro e que juntos produzem o resultado final que temos contato diariamente. E quando o profissional é capacitado em ambas as especializações, ele é um programador full stack. Logo, para ele as oportunidades aparecem em dobro.

Bom, a este ponto você teve contato com muitas informações sobre como anda o mercado nesta área. Mas muito além disso, você aprendeu sobre habilidades pedidas em cada uma das especializações. Isto porque tem um fator de extrema relevância que você deve considerar ao fazer essa escolha: o seu perfil. Você só vai conseguir se tornar um desenvolvedor incrível da forma que sonha tanto respeitando o seu estilo de programar e a afinidade com a especialização.