Categorias
Tecnologia

O que é o Metaverso?

Talvez um dos temas mais discutidos nas últimas semanas tenha sido o Metaverso, principalmente depois que Mark Zuckenberg trocou o nome da Holding do Facebook para Meta, fazendo uma alusão ao que segundo o fundador da rede social mais utilizada no mundo, será o futuro da empresa.


Mas afinal de contas o que é o Metaverso? Por que tanta gente tem demonstrado um certo temor a respeito do tema? Existe motivo para tal?

O conceito de Metaverso não é exatamente novo, ele foi criado por Neal Stephenson criou o termo “Metaverso” em seu romance de 1992, Snow Crash, onde se referia a um mundo virtual 3D habitado por avatares de pessoas reais.


Se pesquisarmos no Google encontraremos algumas definições sobre o Metaverso, como por exemplo a Wikipedia o define como um espaço virtual compartilhado coletivo, criado pela convergência de realidade física virtualmente aprimorada e espaço virtual fisicamente persistente, incluindo a soma de todos os mundos virtuais, realidade aumentada e a Internet.

E provavelmente esteja aí, nessa aparentemente complexa definição a chave de tanta dúvida e temor a respeito do tema, afinal  “realidade física virtualmente aprimorada” ou  “espaço virtual fisicamente persistente”, são termos que assustam e que em um primeiro momento são difíceis de compreender, talvez tudo fique mais claro, se traduzirmos a primeira frase como Realidade aumentada, já muito utilizada em filtros do Instagram e realidade virtual, já amplamente utilizada com óculos especiais em alguns games e parques diversões, por isso acredito que não há razão para pânico e que o Metaverso nada mais é do que a evolução da internet , uma especie de Web3 como se tem dito, e que na minha opinião terá um transição tão natural  para nós quanto foi a transição do desktop para a navegação mobile.

Exemplificando
Você provavelmente já participou de alguma reunião online, ou talvez você até trabalhe 100% do tempo de forma remota, quando você entra em uma sala de reuniões   do Zoom ou do Google Meeting você está entrando em um ambiente virtual, que ainda só não pode ser chamado de Metaverso pois não possui elementos 3D e por isso você ainda não consegue acompanhar totalmente gestos e expressões corporais dos outros participantes , quando isso for possível (que já é o caso de quem usa o incipiente Horizon Workrooms do Facebook) isso será uma experiência no metaverso, e é claro isso estará entregando a grande promessa do Metaverso que é a junção mais próxima do virtual com o real.

Muitos ainda questionam, “ah mas vamos entrar em um ambiente virtual, e talvez fique por horas sem interação com o mundo real?”,  e o que fazemos quando entramos no Instagram e ficamos horas rolando o feed, senão isso? A experiência de navegar em uma rede social, provavelmente também será amplamente modificada, com a utilização de câmeras 3D e uma experiência imersiva na qual provavelmente você vai se sentir no mesmo lugar que seu influenciador ou amigo preferido.
Outra parte dos que criticam ou temem o metaverso, também falam que com o que temos hoje disponível seria essencial a utilização de óculos de realidade virtual e outros gadgets que possibilitariam a nossa “imersão nesse mundo paralelo”, nesse ponto é bom lembrar que o Facebook também está de olho nisso e não atoa criou em parceria com a Ray-ban um óculos que dá os primeiros passos em interatividade, e que quem sabe em um futuro próximo não seja utilizado para acesso ao metaverso.

Por isso acredito que o metaverso será uma evolução natural e gradativa da internet que temos hoje e trará muito mais oportunidades e coisas boas para quem obviamente souber usar a plataforma e seus diferenciais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.